Notícias

14 de agosto de 2019

A Família Como Vai?

Este é o tema da Semana Nacional da Família, que ocorre de 11 a 17 de agosto do corrente ano. Criada em 1992, pela Pastoral Familiar, em consonância com a CNBB, é um evento anual e integra o calendário das paróquias e comunidades de todo o Brasil.

A Semana Nacional da Família é inserida no mês de agosto, dedicado às vocações. Nada mais propício, porque a primeira vocação do homem é ser família. Nascemos e crescemos numa família. É nela que recebemos os fundamentos da nossa fé cristã e através dela somos inseridos na grande família do povo de Deus – a Igreja.

O tema deste ano “A Família como Vai? É um resgate do tema da Campanha da Fraternidade de 1994 e tem como objetivo verificar o quanto a família evoluiu de lá para cá.

O subsídio “A Hora da Família” traz como exemplo, para nos ajudar a dar uma resposta a Deus, a história de Santo Expedito, que ficou conhecido como o santo das causas urgentes, devido a um episódio onde um espírito do mal apareceu-lhe em forma de corvo, dizendo: “Crás...! Crás...! Crás...! (em latim: “Amanhã...! Amanhã...! Amanhã...!”). Eis a proposta do Maligno: Deixe para amanhã, não tenha pressa, adie a sua conversão. Qual foi a atitude de Santo Expedito? Pisoteou o corvo, esmagando-o e gritando: “HODIE”, que significa “HOJE”.

Queridos irmãos, nos dias atuais, o Enganador adentra as nossas casas através dos meios de comunicação, especialmente a televisão e as redes sociais, propondo que vivamos conforme os apetites da carne. Nada de renúncia, fidelidade conjugal, castidade, obediência, respeito, oração, Igreja, missas, reunião de Grupo de Oração. Estas são atitudes retrógradas, perda de tempo. Temos que curtir a vida intensamente, de forma totalmente contrária aos ensinamentos da Igreja.

Diante de tais propostas do “Encardido”, como dizia o Padre Léo, de saudosa memória, qual tem sido a nossa resposta como família cristã? Temos sucumbido a elas, juntando-nos, por modismo, ao time dos escarnecedores ou temos, a exemplo de Santo Expedito, expulsado para longe de nossas famílias o Maligno, a partir de um testemunho de verdadeira conversão? Porque “...os desejos da carne se opõe ao do Espírito...” (Gal 5,17).

A Família Como Vai? Para responder se a nossa vai bem, faz-se necessário saber a sua natureza e a que vocação ela é chamada. Certa feita, os fariseus perguntaram a Jesus se era permitido separar-se da esposa e porque Moisés permitiu o divórcio. Jesus respondeu-lhes: 

"Não lestes que o Criador, no começo, fez o homem e a mulher e disse: Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher; e os dois formarão uma só carne? Assim, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus uniu... É por causa da dureza de vosso coração que Moisés havia tolerado o repúdio das mulheres; mas no começo não foi assim." Mt 19,4-8

A natureza da família é de origem divina. Foi o próprio Deus que a instituiu, dotando-a de sua constituição fundamental (Catec. 2203) A sua vocação é o amor entre os seus membros - cônjuges e filhos (Catec. 2201). Amor que requer fidelidade, compromisso. Amor capaz de suportar e superar todos os obstáculos que se apresentam na caminhada.

Queridos irmãos em Cristo e demais leitores, queremos concluir este artigo, fazendo um resumo da história da nossa família.

Eu e Joelma nos conhecemos, por providência divina, numa noite do Bairro onde morávamos. A partir daí começou a fase de paquera. A convidei a frequentar às reuniões do Grupo de Oração. Em seguida, iniciamos o namoro. Quatro anos e meio mais tarde, estávamos diante do Altar do Senhor para selar, de forma sacramental e definitiva, o nosso amor.

Casamos sem ter as ditas condições materiais normais (casa, bom emprego etc). Mas nada disso naquele momento nos importava, porque o principal não nos faltava – Deus. Além de estarmos conscientes da força do nosso amor, que seria capaz de suportar as dificuldades.

Em 1995 recebemos um presente do Céu, o nosso primogênito – Deninho. Aí aumentou a felicidade. Onde tem criança, tem alegria. Anos depois, nasceu um filho prematura, que partiu para junto do Pai após ser batizado pelo médico na própria maternidade. Recebeu o meu nome. Glória a Deus. Temos um anjo a interceder por nós.

Continuamos firme no Grupo de Oração, criando e educando o nosso filho na sã doutrina do Senhor e da Igreja. Deus, que é rico em misericórdia, nos abençoou com um emprego melhor, com casa e carro próprios. O filho está formado.

Vinte e cinco anos após a entrega das alianças, naquela simples Capela do Sagrado Coração de Jesus, hoje Paróquia, podemos dizer: Tudo valeu a pena. Como é bom ser família. Porque ONDE TEM FAMÍLIA, TEM ALEGRIA.

Agradecemos a Deus pela inspiração para escrever e a você querido irmão pela paciência em ler este artigo. Pedimos a sua oração por nossa família e estaremos orando em favor da sua.


Gilson Rodrigues e Joelma da S. Rodrigues
Coordenadores do Ministério para Famílias da RCC Sergipe

 
Copyright © 2017 RCCSERGIPE - Renovação Carismática Católica de Sergipe.